Ídolo do Palmeiras se recusa a falar com Galvão Bueno; veja o motivo

0

Galvão Bueno vem se dedicando ao seu podcast, o PodFalar Galvão, recentemente, onde conta alguns casos dos bastidores do esporte e de transmissões históricas das quais participou em sua grande jornada na televisão. E um ídolo da história do Palmeiras chegou a ser assunto do narrador nos últimos programas.

Em um desses casos, inclusive, Galvão Bueno comenta sobre como foi fazer a reportagem sobre um dos resultados mais dolorosos da história do torcedor brasileiro. O 7 a 1 contra a Alemanha, em pleno Brasil, ficou marcado na história da seleção e do narrador, que comentou sobre como sua relação com Luiz Felipe Scolari ficou estremecida após os comentários que fez depois da partida.

“A nação do futebol estava derrubada com o tal do 7 a 1. Foi duro (fazer o editorial no Jornal Nacional) e tinha de ser. Não podia ser de outra forma. Quando terminou, senti que fiz minha obrigação. Não havia outro jeito. Depois, continuei convivendo bem com os jogadores, com todo mundo. O Carlos Alberto Parreira continuou sendo um amigo querido. Mas o Felipão nunca mais falou comigo. Ele disse que apontei o dedo do País para ele. Se ele se sentiu assim, o que eu posso fazer?”, disse.

Galvão Bueno já tentou contato diversas vezes

Ainda de acordo com Galvão Bueno, ele já teria tentado entrar em contato com o ex-treinador da seleção em algumas oportunidades, mas sem sucesso. O narrador ainda se pergunta se vai conseguir reestabelecer uma relação com o atual técnico do Athletico Paranaense.

“Várias vezes já mandei mensagem e ele (ignorou)… O Felipão nunca falou mal de mim publicamente, mas isso foi em 2014, lá se vão 8 anos, e infelizmente nunca mais tive a oportunidade de tomar um vinho com o Felipão e de falar com ele. Quem sabe um dia isso volta?”, completou o narrador.

Enfim, se gostou do conteúdo não deixe de acessar com frequência o Portal do Palmeirense e nos seguir no Instagram.

- Publicidade -

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.